Fonte: Redação - Foto: Divulgação

O setor imobiliário brasileiro deve movimentar, até o final de 2021, mais de R$ 71 bilhões, retomando parte da fatia que havia perdido no ano passado em função da pandemia, quando respondeu por apenas R$ 64,5 bilhões. É o que aponta a Pesquisa IPC Maps, especializada em potencial de consumo dos brasileiros há quase 30 anos, com base em dados oficiais.


Embora o cenário seja de otimismo, o estudo mostra que ainda levará algum tempo para o segmento voltar ao patamar que havia conquistado. Segundo Marcos Pazzini, responsável pelo estudo, o mercado de compra de imóveis “levou um baque entre 2019 e 2020, reduzindo em 42,5% seus valores de potencial de consumo”. Antes da Covid-19, o setor totalizava R$ 112 bilhões, ou seja, 36,6% a mais que a projeção atual. 


Se o consumo começa a recuperar seu fôlego, a quantidade de empresas segue o mesmo ritmo. Segundo o IPC Maps, das 202.734 atividades imobiliárias existentes em 2019 no Brasil, 14 mil fecharam suas portas no início da pandemia. Já neste ano, essa quantidade voltou a subir, totalizando 195.386 unidades instaladas. “Embora ainda longe dos números pré-pandemia, há uma tendência de crescimento tanto nos valores de potencial de consumo da população, como na quantidade de empresas do setor”, afirma Pazzini.


Nos cálculos acima, são levadas em conta o número de empresas que oferecem serviços, tais como: compra, venda, aluguel e loteamento de imóveis próprios, bem como corretagem, gestão e administração da propriedade imobiliária.


Rua 14 de Julho, 1431
Centro
Campo Grande - MS

Ver mapa

(67) 3321-1010 / 99211-9055 / 98115-0501